Nós, da CONCP, queremos que nos nossos países martirizados durante séculos, humilhados, insultados, nunca possa reinar o insulto, e que nunca mais os nossos povos sejam explorados, não só pelos imperialistas, não só pelos europeus, não só pelas pessoas de pele branca, porque não confundimos a exploração ou os factores de exploração com a cor da pele dos homens; não queremos mais a exploração no nosso país, mesmo feita por negros. Lutamos para construir, nos nossos países, em Angola, em Moçambique, na Guiné, nas Ilhas de Cabo Verde, em S. Tomé, uma vida de felicidade, uma vida onde cada homem respeitará todos os homens, onde a disciplina não será imposta, onde não faltará o trabalho a ninguém, onde os salários serão justos, onde cada um terá o direito a tudo o que o homem construiu, criou para a felicidade dos homens. É para isso que lutamos. Se não o conseguirmos, teremos faltado aos nossos deveres, não atingiremos o objectivo da nossa luta”. AMILCAR CABRAL

domingo, 20 de janeiro de 2008

BUSH NO MÉDIO ORIENTE: DIÁRIO DE UM FALHADO


George Bush, está acabado. Uma figura triste, solitária, que sabe que é odiado universalmente, sabe que é responsável pelos gritos e lágrimas de centenas de milhares de famílias pelo mundo fora. Sabe que desperdiçou centenas de biliões de dólares em esquemas quixotescos, sem produzir qualquer resultado tangível.
É pouco provável que o Bush tenha um “momento Clinton” porque para tal, é preciso sangue frio, calculismo e uma módica quantidade de inteligência. No entanto, Hillary Clinton poderá ter um “momento Bush”, quanto mais porque os mestres a puxar seus cordéis são a AIPAC – Comité Americano-Israelita de Assuntos Públicos. Como dizem, Mostre-me os teus amigos e eu dir-te-ei quem és. Se a Hillary Clinton for eleita, cuidado, Irão.
A política externa dos EUA, com Clinton, vai continuar com uma pequena diferença. Em vez do “Iraque”, ler “Irão”. E o sistema central nervoso de Washington continuará a ser em Tel Aviv.

1 comentário:

Milu disse...

Estou adorando seu blog. Suas opiniões políticas são sensatas. Quisera que mais gente lesse seus posts, que obrigam à uma reflexão sobre os problemas que assolam nosso planeta! Muito obrigada pela chance de poder ter acesso a esta fonte incrível de informações. Abraços.