Nós, da CONCP, queremos que nos nossos países martirizados durante séculos, humilhados, insultados, nunca possa reinar o insulto, e que nunca mais os nossos povos sejam explorados, não só pelos imperialistas, não só pelos europeus, não só pelas pessoas de pele branca, porque não confundimos a exploração ou os factores de exploração com a cor da pele dos homens; não queremos mais a exploração no nosso país, mesmo feita por negros. Lutamos para construir, nos nossos países, em Angola, em Moçambique, na Guiné, nas Ilhas de Cabo Verde, em S. Tomé, uma vida de felicidade, uma vida onde cada homem respeitará todos os homens, onde a disciplina não será imposta, onde não faltará o trabalho a ninguém, onde os salários serão justos, onde cada um terá o direito a tudo o que o homem construiu, criou para a felicidade dos homens. É para isso que lutamos. Se não o conseguirmos, teremos faltado aos nossos deveres, não atingiremos o objectivo da nossa luta”. AMILCAR CABRAL

sexta-feira, 23 de maio de 2008

GUERRILHEIRA DAS FARC: DESERTORA OU CAPTURADA?

A comandante guerrilheira colombiana "Karina", que desertou das Farc após 24 anos de militância, assegurou nesta terça-feira que nunca soube de acordos com os governos de Hugo Chávez, da Venezuela, ou de Rafael Correa, do Equador
"Nós admiramos o presidente Chávez, mas nunca soube de acordos, negociações ou qualquer outra coisa com ele ou com o presidente Correa", afirmou Nelly Avila, conhecida como "Karina", uma dirigente das Farc de 40 anos que se entregou no último domingo.
"Karina" reconheceu que tomou essa decisão devido à pressão do Exército e por medo de ser assassinada como ocorreu com sete membros do 'secretariado' (cúpula) das Farc, todos assassinados em março por um subalterno para receber uma recompensa.
O governo "ganhou a batalha sobre mim, não sei se ganhará sobre as Farc, porque há muitas pessoas dedicadas à causa revolucionária", admitiu.
Considerada pelo Exército uma das mais "sanguinárias" combatentes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e responsável por vários massacres, a mulher negou essas acusações.
"Acusam-me de muitos massacres e de muitas coisas que não cometi", disse. "Não sou tão sangüinária como dizem, me considero uma 'humanista', que teve que combater, mas não por prazer", explicou.
"Farei tudo para colaborar com a justiça, mas não aceito que me acusem de tantas coisas e que digam que sou o pior que há", defendeu-se "Karina", que também negou que as Farc sejam financiadas pelo cultivo ilícito.
"Karina" disse ainda que apesar de ter desertado não concorda com os que considerem seus antigos companheiros terroristas. "Para mim as Farc não são uma organização terrorista, há confrontos e os excessos ocorrem em todos os lados", afirmou.Confira aqui
IMAGEM DAQUI

1 comentário:

Pedro Ayres disse...

Agry
Bem que eu gostaria fazer o que sugeres, o problema é que meus conhecimentos sobre como fazer um blog ser mais operacional são bem pequenos. Agora, por exemplo, para evitar mais tempo perdido, envio-te o endereço de uma sensacional enrevista com Salvatore Mancuso,o big-boss das AUC: http://www.noticiasuno.com/notas/ultima--entrevista-mancusso-terra-exclusiva.html
São dois vídeos fundamentais agora que a dupla Bush/Uribe vai jogar tudo para desestabilizar a A. do Sul. E quanto a Karina, creio que a "deserção" dela está sendo prejudicial à guerra midiática da direita colombiana e mundial. De qualquer modo, gostei da idéia da permuta dos post.
Um forte abraço