Nós, da CONCP, queremos que nos nossos países martirizados durante séculos, humilhados, insultados, nunca possa reinar o insulto, e que nunca mais os nossos povos sejam explorados, não só pelos imperialistas, não só pelos europeus, não só pelas pessoas de pele branca, porque não confundimos a exploração ou os factores de exploração com a cor da pele dos homens; não queremos mais a exploração no nosso país, mesmo feita por negros. Lutamos para construir, nos nossos países, em Angola, em Moçambique, na Guiné, nas Ilhas de Cabo Verde, em S. Tomé, uma vida de felicidade, uma vida onde cada homem respeitará todos os homens, onde a disciplina não será imposta, onde não faltará o trabalho a ninguém, onde os salários serão justos, onde cada um terá o direito a tudo o que o homem construiu, criou para a felicidade dos homens. É para isso que lutamos. Se não o conseguirmos, teremos faltado aos nossos deveres, não atingiremos o objectivo da nossa luta”. AMILCAR CABRAL

segunda-feira, 14 de julho de 2008

EM CONVERSA COM A AUTORA DO BLOG "UMA-ESPÉCIE-DE-MIM"

Em Novembro do ano passado publiquei umas entrevistas dirigidas a bloggers situados no mundo que fala português e comprometidos na divulgação da história da cultura e das aspirações dos respectivos povos.
Ocorreu-me agora regressar ao tema mas, desta feita, solicitar entrevistas a bloggers, no feminino, e que integram a minha lista de elos.
Deste modo, durante semanas, tive o privilégio de entrevistar algumas das bloggers mais simpáticas que habitam a blogosfera. Para mim, foi uma experiência muito gratificante, indelével e enriquecedora. Queria agradecer a todas as minhas convidadas a forma carinhosa com que aceitaram o meu convite e desejar-lhes tudo de bom
Paula Crespo é a minha entrevistada de hoje. lisboeta, bibliotecária, desenvolve, neste momento, a sua actividade na área editorial de um organismo público. É autora dum excelente Blog : Uma-Espécie-de-Mim,que recomendo vivamente. A sua autora é uma mulher encantadora, discreta e perspicaz
Vamos à entrevista?
1 . Como interpreta a disseminação e o interesse crescentes pelo fenómeno blogue?
É fácil, é barato e dá milhões! , para citar o famoso slogan publicitário (risos). Bom, milhões não dará - pelo menos para muitos -, mas os dois primeiros aspectos contidos neste slogan verificam-se, de facto. A facilidade e a gratuitidade com que se pode criar um blogue são factores relevantes. Mas o principal motivo, penso eu, está na possibilidade de podermos exprimir as nossas opiniões livremente, de serem espaços de criatividade e, para além disso, de possibilitarem a interacção. Funcionam como redes sociais, ao contrário de um artigo publicado num jornal ou revista, em que o feed back do público ou não chega ou chega de forma muito indirecta.

2. A presença do sexo forte (leia-se, das mulheres) também, aqui ,tem sabido afirmar-se e conquistar o seu espaço?
Penso que sim, na medida em que há muitos blogues de mulheres - o que é natural, já que as mulheres têm uma participação cada vez mais activa na sociedade. Os blogues de política ou outros assuntos mais da esfera pública continuam a ser maioritariamente dominados por homens - tanto quanto me apercebo, claro. Por outro lado, existem também muitos blogues de poesia, por exemplo, geridos por homens. A questão será talvez se há muitos blogues no feminino. E esse é que deve ser o cerne da questão: fragmentar os interesses em feminino e masculino, afectando-os a mulheres e homens, respectivamente, é contraditório com uma sociedade que se deseja cada vez mais igualitária e inclusiva. O que hoje em dia interessa às mulheres não deve ser só aquilo a que tradicionalmente se afecta como sendo da esfera do feminino.

3. Quando navega na blogosfera fá-lo, à vista, ou prefere rumar para um destino já conhecido?
Gosto de descobrir novos blogues e explorar blogues de vários tipos e várias tendências. O pior é que nem sempre há disponibilidade de tempo... Por isso, estas minhas incursões blogosféricas não são tão frequentes quanto eu gostaria. Mas há um grupo de pessoas que escrevem na rede e que eu visito com regularidade.

4 - Quais as motivações que a conduziram à criação de um blogue?
A principal motivação foi a possibilidade de poder escrever e publicar, ou seja, não guardar só para mim própria as minhas reflexões sobre os assuntos que me despertam interesse. E o blogue é a plataforma mais simples e eficaz para poder fazer isso. Não tenho qualquer motivação de promoção profissional ou outra do género, mas tão somente o prazer que me dá poder reflectir sobre as coisas e escrever. É uma motivação muito pessoal, portanto.

5 . Qual a sua opinião sobre a blogosfera?
É muito variada e tem um pouco de tudo. Tem também muitos blogues que, em minha opinião, não têm grande interesse para o público em geral: ou porque são meros diários pessoais, em que despejamos para lá as nossas dores ou alegrias e, por isso, são demasiado pessoais ou, porque pura e simplesmente, são demasiado panfletários. Mas enfim, a sociedade é um enorme conjunto de pessoas bem diferentes e a blogosfera reflecte isso mesmo, naturalmente. Mas existem blogues muito bons, e a blogosfera é encarada, cada vez mais, como um espaço de influência e de debate. É um rosto da democracia, sem dúvida.

6. Os blogues poderão substituir a imprensa online?
Penso que não. Os blogues funcionam mais como espaço de opinião e de debate, de fórum, com contornos diferentes dos da imprensa online. Poderão ser talvez entendidos, em certa medida, como um complemento a esta. Além de que convém não esquecer que os bloggers não são, na sua maioria, jornalistas ou pessoas aptas a "dar a notícia", mas sim a "dar a opinião".

7. Em que medida os blogues intervêm na sua vida pessoal e profissional?
Em termos profissionais, tenho recolhido várias informações úteis e constituem fonte de conhecimento. Até porque existem muitos blogues na área das bibliotecas e a sua consulta é uma forma de trocarmos informações e nos mantermos actualizados. Em termos pessoais, são o que eu já disse anteriormente, ou seja, um hobby interessante e uma forma de conhecer pessoas.

8. O que é para si, um bom blogue
Um bom blogue deve ser coerente, de fácil leitura e suficientemente apelativo. Um bom layout ajuda muito (e aqui excluo os layouts demasiado preenchidos ou sobrecarregados de informação, ou com cores demasiado agressivas, etc.). Isto em termos de formato. Em relação ao conteúdo, deverão ser blogues bem estruturados, com informação pertinente para a grande parte do público; menos pessoais, talvez. Pessoalmente, privilegio blogues de cariz mais cultural - mas isso é uma opção minha.

9. A sua participação na blogosfera tem sido gratificante?
Ter um blogue é para mim um hobby que só faz sentido enquanto me der prazer tê-lo. E devo dizer que me tem dado bastante prazer, até agora, pois escrever tem-me obrigado a olhar para os assuntos de outra forma, tem-me levado a reflectir mais sobre as coisas, a estar mais desperta. E esse exercício já é suficientemente gratificante para mim.

3 comentários:

Sr do Vale disse...

Agry, parabéns pela iniciativa, e que venham mais entrevistas, é interessante conhecer-mos um pouco mais das pessoas a quem já temos uma afinidade.
Paula, seu depoimento resume muito bem esse fenômeno de inter relação.
Abraços.

mariam disse...

Gostei muito da entrevista, a paula deu-me mais uma resposta à questão que coloquei no meu 7sentidos, sobre o porquê da criação de um blog...qual a motivação...
Parabéns aos dois Agry e Paula)

um sorriso :)

BlueVelvet disse...

Vim ler a entrevista da Paula, mas também gostei do seu blog.
Voltarei.
Veludinhos azuis